8 Coisas Que A Mídia Usa Para Te Manipular Sem Você Perceber

Noam Chomsky foi um importante filósofo, ativista político e professor no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (em inglês, Massachusetts Institute of Technology, MIT). Parte de seu trabalho consistiu em listar poderosas e eficientes estratégias frequentemente utilizadas pela mídia para manipular a população.

São estratégias e conceitos tão bem elaborados que até mesmo as sociedades mais bem desenvolvidas por meio da educação são vítimas disso. Em qualquer contexto, poderosas organizações com intenção de controle podem influenciar veículos de comunicação para manter comportamentos e interesses da população sob controle.

Confira algumas das estratégias de manipulação da mídia que te atingem diariamente, mesmo que você não perceba.

1 – Distração

1

Ao manter a atenção do público fora de problemas realmente importantes, a mídia pode mudar o foco da atenção social. Interesses políticos e econômicos podem estar por trás do direcionamento de coberturas e escolhas de assuntos, para valorizar a distração enquanto a informação principal é sobre temas insignificantes. A estratégia pode manter o público alheio a conhecimentos importantes para manter certos comportamentos sociais.

2 – Criação de problemas e desenvolvimento de soluções

2

Por meio dessa estratégia, os veículos podem criar uma espécie de problema para provocar reações na audiência. Após esse passo inicial, a própria mídia apresenta soluções. Por exemplo, os canais de comunicação podem escolher um problema específico para ser valorizado na intenção de causar a revolta popular e, a partir daí, sugerir respostas que serão bem aceitas pela população.

3 – Valorização do sentimento de culpa

3

Se as estratégias da mídia te fizerem sentir culpado pela sua própria ignorância ou falta de habilidade em algum contexto, é mais fácil evitar questionamentos. Nessas situações, ao invés da população se rebelar contra o sistema, que seria responsável pelas frustrações, ela se culparia e não faria nada sobre isso, socialmente falando.

4 – Manutenção da ignorância

4

Quanto menos o povo souber, menos irá questionar e menor capacidade de reação terá. Fazer o público incapaz de compreender certos conceitos é fundamental para conseguir exercer o controle sobre ele. Por mais que exista uma responsabilidade de transmitir conhecimento e informação em diversos campos, nem tudo deve ser explorado a fundo, para que um nível de ignorância seja mantido.

5 – Tratamento infantil

5

O forma de se comunicar com o público geral nos meios de comunicação costuma ser próxima da utilizada com crianças. O discurso, a construção dos argumentos e, às vezes, até a entonação são carregadas de emoções que a comunicação rotineira não traz. Isso porque, ao tratar o interlocutor como se ele tivesse uma mentalidade mais imatura, as respostas têm uma tendência a apresentar o mesmo nível de imaturidade.

6 – Utilização do lado emocional

6

Uma clássica técnica de manipulação é apelar para o lado emocional de uma causa. Ao fazer isso, uma resposta racional é menos provável e o senso crítico do receptor da mensagem é diminuído. Além disso, o uso da emoção permite o desenvolvimento de ideias, desejos, medos e comportamentos diversos no inconsciente do alvo da comunicação.

7 – Estimular a mediocridade

7

Por meio de recursos de manipulação, é possível construir a ideia de que pessoas que discutem demais ou passam muito tempo pensando são chatas ou mau humoradas. Isso contribui para o pensamento de que o comportamento oposto – de viver superficialmente, sem aprofundar ideias e utilizar o humor frequentemente – é o ideal. Evitando o pensamento profundo, é mais fácil manter as massas ignorantes e incultas.

8 – Desenvolver uma ideia

8

Uma maneira de forçar a aceitação popular de uma ideia é começar a tratá-la de forma negativa nos veículos. A princípio, pode provocar uma rejeição social mas, ao mesmo tempo, abre caminho para a aceitação pública mais tarde, já que a ideia foi trabalhada. Com a apresentação da ideia, o público pode começar a se habituar à ideia, traçando cenários na imaginação, o que faz com que ela seja aceitada com muito mais naturalidade quando chegar o momento ideal.

 

Fonte

Deixe um Comentário