Assim é o Metrô de Mármore Da Coreia Do Norte

No entanto, o transporte é inusitado, pois as salas não são muito iluminadas e possui imagens em forma de estátua de antigos líderes. Estima-se que apenas 5 mil turistas ocidentais visitam o país durante um ano, e isso faz com que as imagens da vida diária em Pyongyang se tornem raras, já que na Coréia do Norte, a fotografia é limitada.

A entrada para o metrô se dá através das catracas. Um bilhete para viajar equivale a cerca de R$ 1 no Brasil.

Atualmente o metrô é formado por duas linhas, a de Chollima e de Hyŏksin. As estações não têm o nome de lugares, mas frases revolucionárias, como, por exemplo, “Triunfo”. O metrô de Pyongyang fica a 110 metros do chão, e isso faz com que ele se torne um dos metrô mais profundos do mundo.

A descida dura em média 4 minutos, enquanto isso, hino do país pode ser ouvido pelos auto-falantes.

Não é possível dizer a história do trem, mas o que se sabe é que alguns grafite alemão foram feitos em seus interiores.

Na hora do rush os trens ficam disponível a cada 2 minutos.

Na parte inferior da escada, jornais controlados pelo Estado são pregados nas paredes.

Quem visita o país pode ser acompanhado por um guia turístico e só são autorizados a viajar para determinadas estações.

Dentro da estação, pilares de mármore e imagens do antigo chefe de Estado, Kim Jong-il, enfeitam o ambiente, e em cada vagão possui uma imagem dos líderes do Estado, Kim Il-Sung e Kim Jong-Il.

Além disso, é possível fazer anúncios durantes os metrôs através do auto-falante.

Uma viajante que utilizou o trem falou sobre a sua experiência: “Toda viagem na Coréia do Norte é política. Eles querem que você saia do país e diga: ‘A Coréia do Norte não é tão ruim assim!”

Inusitado. O que você acharia se existisse um trem como esse no país? Deixe a sua opinião abaixo nos comentários.

Fonte

Deixe um Comentário